Sem categoria

Aumento expressivo de tabacarias: vale a pena investir?

Em um país onde muitas pessoas carregam diversos estigmas a respeito da cannabis, pode parecer confuso afirmar o aumento expressivo de tabacarias no Brasil. No entanto, esse panorama nos convida a um diálogo sincero sobre esse assunto.

Por mais que a legalização ainda esteja distante, a comercialização de acessórios para o fumo da erva é algo legal. E isso, ainda que de forma indireta, abre espaço para que as pessoas tenham de procurar locais às vezes inóspitos para conseguirem a cannabis.

E os problemas dessa falta de flexibilização se refletem em noticiários, onde muitos indivíduos acabam se tendo que enfrentar situações das quais poderiam ser evitadas.

Então, o crescimento das tabacarias acaba escrachando o quanto os usuários prezam e apoiam comércios legais, que se dedicam a vender produtos que sejam de qualidade.

Isso faz com que alguns reflitam: será que se houvesse a legalização completa, não se erradicaria uma série de problemas maiores?

Mudanças

Se formos olhar para 30 anos atrás, a sociedade mantinha uma óptica muito tradicional à época, carregada de estigmas e preconceitos.

Mas, com a cannabis se tornando legal em vários países e com a consequente disseminação de informações e de suas propriedades benéficas, cada vez mais as pessoas estão se desvencilhando desses padrões.

Hoje em dia, diversas são as pessoas que acham que manter a proibição da maconha é algo retrógrado, que vai contra o avanço natural da sociedade.

É claro que os parâmetros sociais de hoje evoluíram muito quando comparado há alguns anos, mas não tem como negar a existência de um longo caminho a se trilhar.

No entanto, cada vez mais se torna nítido as constantes mudanças, como o crescimento desse tipo de mercado.

A PoPipe, por exemplo, está no mercado desde 2009, entretanto, é recente que notaram uma mudança no perfil do consumidor, que está mais exigente e antenado.

Por consequência, a aparição de e-commerces nesse ramo vem sendo cada vez mais constante, e muito disso é fruto da pandemia.

Num cenário onde se criava uma atmosfera densa, de desilusão a respeito do futuro, muitas pessoas encontraram na cannabis uma forma de manter a paz e eliminar a ansiedade.

Pandemia e expansão

Mesmo com todo o tabu e ignorância no saber que envolvem o mercado dos acessórios, é inegável que o mercado está crescendo, e a expectativa é que a ascensão se mantenha nos próximos anos.

Mesmo porque, entre outubro de 2018 e outubro de 2019, as headshops tiveram um aumento de mais de 50% nas vendas.

É verdade que teve uma queda entre o mês de março e abril de 2020, muito provavelmente por conta de serem os dois primeiros meses da pandemia.

No entanto, os dados posteriores são bem animadores, uma vez que houve um crescimento gigantesco desse mercado, o qual bateu quase 700 novas empresas abertas no segmento. E isso apenas no mês de junho de 2020.

No mercado atual, há mais de 23 mil empresas ativas na RFB com CNAE de tabacaria, seja no segmento de headshops, narguilés ou tabacaria tradicional.

Limitações

Mesmo em países onde a cannabis já é legalizada, o mercado ainda tem algumas restrições, as quais se relacionam direta ou indiretamente à planta. Isso acontece  pois alguns locais proíbem propagandas que se relacionem com a cannabis, além de impor algumas limitações à venda online, e o mesmo acontece no Brasil.

Inúmeros veículos de comunicação digital como Google, Facebook, Instagram etc. Acabam tendo políticas rígidas para a propagação de conteúdos que se relacionam à cannabis.

No entanto, o problema é que isso acontece também com produtos auxiliares, como o bong, que não necessariamente se liga a maconha. Todos esses efeitos acabam afetando o mercado que, ainda com algumas dificuldades, procura formas de se destacar.

Ademais, os problemas também se referem as grandes plataformas de entrega. Muitas delas inviabilizam a venda de produtos de tabacarias e head shops.

Ou seja, acaba por dificultar a logística desses estabelecimentos, ainda que a demanda por esses produtos seja alta.

E isso faz com que algumas tabacarias tenham que investir em um serviço de logística autônomo, a fim de manter a suas entregas.

About the author

Redação

Add Comment

Click here to post a comment